domingo, 29 de novembro de 2009

Chá das Rosas na Branca

Foi dia 28 às 15h que aconteceu no lar de Francisca e Cineto (foto menor à esquerda) o Chá das Rosas com muita alegria, dinâmicas e canções. O próximo será na Mistuko (foto menor no alto à direita).

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Tentação

Leituras bíblicas: I Coríntios 10. 13 e Mateus 4. 1 à 11
Toda tentação é sempre humana portanto, não será acima do que possamos suportar. Usemos como exemplo a tentação de Jesus:
1º A fome: o homem conhece a fome e, com muita fome, a ciência já provou que é difícil racionar e controlar a mente. O diabo usa deste artifício para tentá-Lo e tentar-nos (verso 4 de Mateus).
2º Espetáculo: o diabo experimenta Jesus por meio de uma tentação que lhe era possível, ou seja, Jesus não morreria porque seria cuidado pelos anjos (verso 6 de Mateus).
3º Riquezas: mostrando as riquezas terrenas, o diabo tenta a Jesus. Vivemos na época de "prosperidades materiais" e isso é uma tentação. A ganância por ter e ter (verso 9 de Mateus).
Nos EUA já passam de mil os pais que esquecem os filhos dentro de automóveis. Esquecem? Porque? Essa vida consumista... essa ganância em querer ter leva a mente humana a um nível de stress onde a mente falha. Querer executar todas as tarefas com êxito pode levar a esse esquecimento pois a mente não é uma máquina.
A lei brasileira não pune os pais pois o castigo destes por tais fatos já é o sentimento de culpa que sentem por esquecer e consequentemente, perder esse filho.
O mundo moderno tem essa tentação.
Estudo de quarta-feira, Antonio Santana

O poder das palavras

Leitura bíblica de Salmos 19. 14

"As palavras que proferimos e escrevemos têm efeito sobre as pessoas. Elas podem encorajar ou desencorajar, curar ou ferir. Preciosas como "maças de ouro em salvas de prata" são as palavras de encorajamento: "eu te amo", "estou orgulhoso de você", "não importa o que aconteça, eu acredito em você".
É difícil imaginar alguém que não tenha necessidade de tais palavras. Aqueles que falam com a graça de Deus usam palavras de encorajamento em profusão, em agradecimentos pelo amor que é derramado sobre nós em abundância."
Pense: Quem precisa ouvir de mim uma palavra delicada?
Leitura do No Cenáculo do dia 22/11/99 na Reunião de Oração, terça-feira

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

A Ponte

video

Poder

Leituras bíblicas: Atos 5. 12-18; 1. 8; 3. 1-8; 19. 11-12; Mateus 28. 18 e Marcos 16. 15-18

Deus escolhe os simples de coração e os humildes de espírito para revelar-lhes Sua vontade e dar-lhes poder para realizar grandes obras aqui na terra. Este poder os discípulos conheciam bem, Pedro era um homem rude e um simples pescador porém, ele primeiramente teve fé e depois, atitude para realizar prodígios e assim, aprenda a não duvidar mas colocar em prática o poder que recebes de Deus por meio da Sua vontade que é soberana.

Supondo que esse fato - descrito nos versos 15 e 16 de Atos 5 - acontecesse nos dias atuais, qual seria a reação das pessoas? Certamente, seria matéria de todos os jornais porém, se atentarmos para os versos 17 e 18, os fariseus encheram-se de inveja e lançaram-nos todos na prisão! "Não tenho dúvidas de que os fatos se repetiriam, e eles seriam repudiados, criticados, processados e presos! Ressaltando, Deus pelas mãos de Paulo fez milagres quando realizou tais curas."
É necessário receber poder divino para realizar a obra de Cristo por meio do Evangelho de poder.
Sermão, Sérgio Salviatti

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Murmuração

Leituras bíblicas de: I Coríntios 10. 1 à 11 e Números 11. 4 à 7

Comparando-se o Antigo Testamento (leitura de Números) com o Novo Testamento (leitura de Coríntios) por tipologia, entende-se Egito como o mundo; deserto como a vida; Canaã como os Céus vida eterna e Babilônia como o inferno.
Na leitura de Coríntios, o apóstolo Paulo nos alerta quanto ao comportamento de murmuração que houve com o povo liberto do Egito. Eles ansiaram por comer comidas egípcias como carnes... pepinos... e desprezaram o maná que receberam dos céus. Este maná, na leitura de Coríntios, refere-se ao alimento espiritual que eles desprezaram.
Por razões pessoais e até circunstanciais, despreza-se o alimento espiritual que é dado pelo próprio Cristo e com a mentalidade de escravo, permanece-se cego, com comportamentos pecaminosos que nos afastam de Cristo.
Estudo de quarta-feira, Sérgio

terça-feira, 10 de novembro de 2009

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Celebração da Ceia com rev. Josias Pereira


Ontem, esteve presente conosco o rev. Josias Pereira e sua doce esposa Rute. O amado pastor nos trouxe a mensagem "Cântico de uma nova Igreja" (leia abaixo) e celebrou a Ceia conosco.

Cântico de uma nova igreja

Leituras bíblicas de: II Crônicas 29. 26 à 30; Apocalipse 21. 5 e 15. 3

Na leitura de Crônicas, Ezequias quer corrigir os erros dos seus antepassados e reformar o país. Convoca os líderes que permaneceram fiéis a Palavra de Javé e inicia a purificação do Templo e a renovação do culto, especialmente com os levitas. Em Apocalipse, as promessas e afirmações de que nos planos de Deus, tudo se faz novo!
A Igreja do Senhor é do povo, é feita pelo povo e para o povo com inspiração divina, devidamente contextualizada. Vive e vivencia a realidade do tempo no espaço que está acontecendo. Vive o novo portanto, não é saudosista, nem escatológica (futurista). Igreja presente no aqui e agora. O passado, diferentemente do presente é caracterizado pela graça, pela realidade do evangelho que é novidade. Nova por que canta alegremente o novo canto de Deus em Cristo Jesus.
Na visão existencialista filosófica, novo não é o que virá mas o que chegou! Presente aqui e agora. É o bom porque está sendo, com todas as suas dificuldades... tristezas... vitórias! A realidade do novo é o momento que vivemos a cada instante.
A palavra evangelho significa novidade ou boa-nova. A Igreja é o novo de Deus presente na comunidade. Vive e revela o Cristo presente. É o anúncio de uma nova vida que só se concretiza pela vivência. Evangelho é Vida. Nosso viver cotidiano. Só assim é possível entender o Evangelho como testemunho. Testemunho é Vida. A mensagem do Evangelho é uma mensagem de Vida.
A Igreja que canta o novo de Deus entende e insere-se no mundo. Vive o contexto do mundo. Vive a vida pela fé e amor no presente tal como é mas anuncia o futuro que já começou. Um futuro interminável que é a vida eterna.
Que o novo de Deus se faça aqui em Mauá. Que os tempos de construção seja tempo de recordar a história e possa ter no seu passado a motivação para viver e vivenciar o novo.
Igreja renovada, sempre renovando. Igreja nova, sempre renovando. Proclamando a libertação pela graça.
Sermão, rev. Josias Pereira

A bíblia como é

Leitura bíblica de Mateus 6. 9 à 15 e Lucas 11

A bíblia foi escrita por homens inspirados por Deus porém, o homem é falho... imperfeito... Inicialmente, foi escrita em pergaminhos, depois em papiros até chegar nas folhas de junco onde foi possível evoluir para livro.
Essa evolução aconteceu por partes num processo muito longo e o acesso a esses escritos era muito difícil; as comunidades íam até certo lugar para ver, ouvir e copiar a bíblia. Era uma das funções dos escribas ditar a bíblia para as pessoas. Não se podia tocar pois essa parte da bíblia era tida como sagrada. As primeiras bíblias, já como livros, não tinham capítulos, nem versos.
Há uma tradição oral e uma tradição escrita. O primeiro evangelho a ser escrito foi Marcos e Lucas não conheceu Jesus. Conta a história que ele foi escravo depois tornou-se médico.
Os evangelhos são sinóticos, ou seja, têm a mesma ótica sobre os fatos porém, existem diferenças como a passagem do(s) gadareno(s) - (leia Mateus 8. 28 à 34; Marcos 5. 1 à 20 e Lucas 8. 26 à 39) - há, nesta passagem, o poder de re-conhecimento na pessoa de Jesus como o Filho do Homem.
Na oração do Pai Nosso descrita em Mateus, as palavras em parênteses (as bíblias mais recentes e atualizadas possuem, as mais antigas não!) não existe no texto original, em grego. Foi possível visualizar através da bíblia em grego com tradução para o português. Por esta razão, os parênteses estão presentes nas bíblias mais atualizadas.
Estudo de quarta, Sandro

terça-feira, 3 de novembro de 2009

+ Fotos da Obra

Culto da Reforma

Leitura bíblica de Lucas 4. 16 a 21
A Reforma tem tudo a ver com esperança. Ao mudarmos algo, temos a esperança de vê-lo melhor. Essa foi a esperança de Lutero, Wesley e outros reformadores. Eles não queriam criar uma nova Igreja, mas reformar a existente.

No fim da Idade Média, a Igreja Católica estava perdendo sua identidade. Gastos com luxo e preocupações materiais estavam tirando o objetivo católico dos trilhos. A primeira reformadora foi a rainha espanhola Isabel, antes do protesto de Lutero. Ela decidiu reformar e a Inquisição surgiu a partir daí.
O principal nome da Reforma, foi Lutero: ele traduziu a Bíblia para o alemão (ele era alemão), pois ela era em latim e as missas eram realizadas em latim. Havia a venda de indulgências (carta de salvação) e a Reforma veio contrariando todas essas idéias, reformando o Clero e a sociedade da época.

Jesus foi o primeiro reformador; ele era judeu e morreu como judeu. Mas sua reforma mudou a época e após a sua morte, deu origem ao Cristianismo.

O Culto deste domingo foi feito nos moldes anteriores à Reforma: havia uma explicação e depois era lida a palavra, negando a oportunidade de reflexão durante a leitura. Hoje, podemos ler e refletir, antes do sermão ser pregado.
Sermão, irmão Sandro.

Bazar da Sociedade de Mulheres